sexta-feira, 12 de junho de 2009

O silêncio é a regra de ouro, pois barulhos "externos" impedem que escutemos a nós mesmos


- Não comece um período de Zazen sem considerar porque você se senta. Saiba sua intenção. Saiba que não existe "nenhum lugar aonde ir, nada a alcançar." Esteja consciente de pensamentos ambiciosos.

- Verifique sua postura. Independentemente de como se sentar, o corpo deve estar ereto (mas não rígido), equilibrado, e relaxado. O local de se sentar deve estar limpo e confortável. ( Mas nós podemos praticar em qualquer local e em qualquer posição - mesmo deitados, se doentes ou exaustos).

- Sente-se todos os dias. Tente não perder mais de um dia na semana. Se a resistência vier (é uma parte normal da prática), esteja consciente de que isto consiste em pensamento; e como todo pensamento, ela não precisa dominar você. Apenas observe-a. Sinta-a no seu corpo. E não se intimide nunca.

- Uma vez por semana, sente-se por 10 a 15 minutos a mais do que você gostaria de se sentar.

- Não se torne obcecado pela prática. Em nenhuma hipótese o trabalho ou as responsabilidades familiares devem ser negligenciados em favor do sentar.

- Quando estiver chateado, não evite o sentar. Por mais difícil que possa ser, é crucial sentar quando as dificuldades surgem.

- Saiba que o sentar é simplesmente manter a consciência do corpo e da mente. Esteja consciente de qualquer desejo de fazer do sentar uma fuga da vida para entrar em estados de transe pacífico; tais estados podem ser sedutores mas não servem para nada.

- Esteja consciente de que o período de lua-de-mel para os novos praticantes é freqüentemente seguido por resistência, possível turbulência, e irrompimentos emocionais. Apenas continue praticando com particular ênfase em sentir as sensações do seu corpo.

- Esteja consciente de que "atingir algo" através da prática (tal como uma clareza especial, insights, mente pacífica) não é o ponto. Isso pode ocorrer - mas o ponto é sua consciência do que quer que esteja acontecendo, incluindo confusão, desencorajamento ou ansiedade.

- Mantenha sua prática para si mesmo. Não tente ensinar os outros. Deixe seus amigos e sua família em paz. Existe um velho ditado que diz, "deixe que peçam três vezes..." O que você pode dar aos outros é como você vive.

- Não gaste o tempo da prática em planejamento. Não existe nada de errado em planejar, mas escolha um outro momento para isso. Se tiver pensamentos sobre planos quando estiver sentado, rotule-os.

- Na vida diária, esteja bastante atento ao desejo de fofocar ou reclamar, de julgar os outros ou a si mesmo, de se sentir superior ou inferior.

Toda a prática pode ser resumida em (1) observação do processo mental e (2) a experiência das sensações corporais presentes. Nem mais e nem menos.
E finalmente, lembre-se que a verdadeira prática não é sobre técnicas ou koans ou qualquer outra coisa como um fim em si mesmo, mas sim sobre a transformação da sua vida e da minha. Não existem "soluções mágicas". Nossa prática é sobre a nossa vida e nós praticamos para sempre.

Charlotte Joko Beck
Ordinary Mind Zen School
Tradução de Khalis Chacel e Tárika Lima

3 comentários:

Seigaku disse...

Esses comentarios da dona Joko sao fabulosos! Muito uteis.

Obrigado por te-los trazido para cah, Seikan.

Esteja Aqui e Agora... disse...

Tem razão Seigaku, essa mestra zen sabe o que diz ( e escreve).

Gasshô!

cavaleiro do apocalipse (lider) disse...

Esteja Aqui e Agora... transformou minha vida, gostaria que todas as pessoas pudessem estar aqui e agora, abosorvendo todo esse conhecimento...
Obriagada !
Ângela