quarta-feira, 6 de julho de 2011

"PENSO, LOGO NÃO EXISTO!"


Cientistas da mente derrubam a noção clássica de consciência

Eu não sou o que penso que sou, caro leitor, e você também não. Loucura? Pois é o que afirmam alguns dos mais talentosos e inquietos cientistas de nossos dias. À medida que mergulham no mistério da consciência humana, pesquisadores das áreas de neurociências, psicologia, filosofia da mente e ciências cognitivas estão criando teorias que desmontam a idéia, levada às últimas conseqüências pelo cartesianismo, de que existe uma consciência independente, separada do mundo, que está em algum lugar do nosso cérebro e que usa seu livre-arbítrio para fazer escolhas e viver a vida. Pura ilusão, dizem eles.

Na verdade, nossa mente abrigaria uma profusão de diferentes 'eus', que disputam espaço entre si, executam ações especializadas sem que saibamos e, mais impressionante, nos mantém na ilusão de que somos 'apenas um'. Na verdade idéias assim não são novas. Ensinamentos semelhantes sobre a natureza humana têm sido transmitidos há milhares de anos por diversas tradições do pensamento oriental, especialmente do budismo, que há 2600 anos ressalta o abismo entre a realidade e as idéias que temos dela. Quem acha que isso parece coisa de místico, vai se surpreender com a participação nesse debate de pesquisadores reconhecidamente céticos.

Fonte: Revista Galileu

5 comentários:

@fnegrao1988 disse...

Bom dia! Ler este post hoje me foi uma grata surpresa, justamente porque já vinha percebendo este fenômeno em mim. Às vezes, sinto como se houvessem oito pessoas dentro de mim (até onde consegui discernir umas das outras), que disputam e colaboram entre si, e lembro que sofri por muito tempo tentando entender como eu podia ter atitudes tão diferentes... estava eu sendo hipócrita? Então com auxílio de uma terapeuta e das valiosas lições do Budismo, parei de lutar e abracei esses, digamos, 'aspectos' de mim mesmo. Então hoje ler que a ciência começa a reconhecer essa condição, mais uma vez me mostra a sabedoria milenar que há no ser budista. Muito obrigado!

rtkw disse...

Basta observar a cabeça da medusa que tera toda essa representaçao, ou melhor, a terrivel situaçao humana.
Ao "caminhante" resta a ardua tarefa de cortar uma a uma, ate que nao sobre nada... assim, atingira o inatingivel.

Paz Profunda

João&Ana disse...

Perfeito o pensamento. Creio mesmo que por aí que encontraremos nosso lugar. Agradeço pela contribuição e o compartilhar de idéias.
Ana Montero

Edi Ruiz disse...

Embora tenho pouco entendimento sobre o assunto, ainda que intuitivamente percebo que de fato somos vários eu que achamos que temos conhecimento da realidade, mas passo a vida tentando conhecer ou tomar consciência da realidade - pois a realidade que tinha qdo criança é bem diferente a que tenho consciência hoje... e qdo estiver com mais idade terei outra consciência dessa mesma realidade ...

sebastianvalle disse...

Há dois anos escrevi um curto artigo sobre o mesmo assunto.
Gostaria de doá-lo aos leitores do PensandoZen:
http://sebastianvalle.wordpress.com/2009/06/07/2-estamos-todos-transtornados/

obrigado!