sexta-feira, 14 de outubro de 2011

"A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o tolo vê"


William Blake sabia disso e afirmou: "A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o tolo vê". Sei disso por experiência própria. Quando vejo os ipês floridos, sinto-me como Moisés diante da sarça ardente: ali está uma epifania do sagrado. Mas uma mulher que vivia perto da minha casa decretou a morte de um ipê que florescia à frentehttp://www.blogger.com/img/blank.gif de sua casa porque ele sujava o chão, dava muito trabalho para a sua vassoura. Seus olhos não viam a beleza. Só viam o lixo.

Rubem Alves

10 comentários:

Vera Felippetto disse...

A maioria das pessoas não conseguem ver a beleza, a sombra, a energia que a árvore nos proporciona. Próximo à minha casa foi plantado vários cedros, pois além de eles ajudarem a refrescar eles transmutadores de energia.

Mareciam disse...

lamentávelmente, temos que conviver com os tolso.

Antonio C. Diana disse...

Compreender e aceitar cada ser é a pratica diária de cada um de nós.
Quando olhamos uma ação isolada e julgamos como boa ou ruim, certa ou errada, estamos reforçando nossa visão dualista e limitada de olhar o mundo e viver.
Talvez esta senhora quando criança, era obrigada de forma dura por sua mãe a varrer todo o jardim antes de poder brincar com as outras crianças.
Olhar e julgar uma ação isolada, é como entrar no cinema com o filme já iniciado e logo em seguida sair dizendo que o filme é ruim.
Olhar e buscar compreender cada ser, é desenvolver nosso coração de compaixão... Por isto praticamos zazen.
Lí uma vez de um mestre: "Eu não vejo maldade no mundo... Vejo ignorância"

Antonio

Coxx disse...

Já li em algum lugar, não me lembro onde, e dias atrás confirmei o dito: a quem olhe a floresta e só veja a lenha. Realmente uma pena.

CONJECTURAS disse...

Como escreveu Gibran Khalil Gibran, "há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinhos; outras há que gargalham de alegria por saber que os espinhos têm rosas."
Sílvia Fabri

Sandra disse...

É verdade...e como conhecemos várias pessoas com esse mesmo olhar,sem enxergar o belo ao seu redor,incapazes de ver beleza exuberante nas flores,nos animais,enfim em tudo.

rosana disse...

O som das águas, constante e inesgotável é como a voz
do Dharma, é impossível estancar seu fluxo. A fala da verdade está no canto dos pássaros, nas folhas das árvores, no coaxar dos sapos, nas cores das flores, no riso e nos lamentos de todos os homens.
Basta silenciar a mente e abrir o coração que a verdade está lá, atemporal, incondicional e absolutamente compassiva.

Gasshô
Rosana

Cleide disse...

Sou a única pessoa na mina rua que tem muitas plantas. As pessoas dizem que elas dão muito trabalho. Mas só eu sei o prazer que elas me dão.

TON disse...

Que eu ilumine minha tolice, que vê maldade onde há ignorância.

Marilene disse...

.... e ela continua impassível... forte, radiante, tranquila... recebendo e irradiando energia...
florindo e reflorindo... Vida!